Educação para o Século XXI: Uma luz no fim do túnel…

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Aline disse:

    http://www.movimentofederalista.org.br/educacao-para-o-seculo-xxi-uma-luz-no-fim-do-tunel/

    Minha preocupação e experiência com o ensino virtual, nos ensino fundamental e médio, é a total falta de maturidade do aluno na busca de conhecimentos… fruto de quase 20 anos de descaso e influência de um governo podre…
    Percebo os malabarismos que eu e tantos colegas comprometidos fazemos para seduzir um aluno para o mundo da educação integral – àquela que começa com o bom dia e até amanhã – e quando solicitamos que usem o celular como ferramenta de pesquisa para determinado assunto, os links oferecidos se desviam para os filmes pornográficos que trazem…
    Antes de se encaminhar para um futuro virtual há que se transitar pelo mundo real, estimular o interesse para a aprendizagem real, voltar à Platão e inserir os valores necessários, ética, moral e cidadania… enquanto não entenderem o porquê de estarmos no mundo, não valorizar o conhecimento, propostas como essa vão nos descaminhar mais um ou dois séculos na educação
    O pensamento petralha desconstruiu gerações, o foco do trabalho em educação hj é resgatar os valores essenciais e necessários e começar a redesenhar uma sociedade para o futuro
    O estrago deixado é maior que vcs imaginam, palavra de quem trabalha, pesquisa e observa esse fenômeno busca de alternativas….
    Como implementar um EAD sem uma orientação maior? Espero que o Bolsonaro saiba escolher, novamente, algum nome firme para a pasta da educação, que elimine essa corja que alinha esse discurso de minorias adoentadas, para que o Enem seja a real porta de entrada, com conhecimentos válidos, e possamos fazer das universidades centros de estudos e pesquisas para um futuro melhor para o mundo
    Creio que deveria ter um canal direto para quem está aqui na ponta, pq é aqui que acontece a educação, não em quem está confortável em suas poltronas…
    O petismo defende que abriu as portas das universidades, concordo, mas deixou a qualidade do lado de fora… não sonho com quantidade, mas torço por uma melhor qualidade no processamento educativo em todos os níveis.
    O único padrão de qualidade em educação, no ensino médio, que pude observar com prazer, pq conseguiu associar o virtual e o real – pesquisas, envolvendo o aluno e arrancando produtividade foi o do Sesi – gostando ou não do Skaff, o pessoal dele em educação é top; prepara o aluno para o mercado de trabalho e às universidades com know-how, e sem dúvidas, pelo povo que se gasta na educação é um projeto viável para toda rede pública.
    Sou a favor da meritocracia, sou contra a filmagem de aulas nos ensinos básico, fundamental e médio pela total ausência de projetos decentes, são alunos mal acostumados ao descaso público bem familiar – próprio da gestão política anterior… que não desenvolveram senso crítico, desenvolveram instintos animalescos…
    Sou contra a promoção indevida, cursos de aceleração e outros projetos que roubam dos alunos a oportunidade do conhecimento…

  2. Sérgio A M. Vianna disse:

    Muito bom!
    Certamente um preparado ministro para trazer a Educação em patamar que o Brasil necessita.

  3. Aline disse:

    Texto enriquecedor do movimento federalista. Pegando carona no texto, “vamos aproveitar estas resoluções e o momento de virada na estrutura política do país e priorizar a reformulação da carreira do professor, valorizá-la, recuperar seu caráter respeitoso e de ser respeitado. Fazer com que seja o catalizador da aprendizagem e do desenvolvimento da sociedade, pois temos o desafio de formar cidadãos para o século XXI e estamos atrasados”. Stavros Panagiotis Xanthopoylos.

  4. Thomas Korontai disse:

    O separatismo proposto pelo movimento “O Sul é o meu País” quer, no fundo, se livrar de Brasília, tanto quanto os federalistas também querem. Contudo, o separatismo é inviável em todos os pontos de vista – econômico , social, militar, histórico, étnico, linguístico, religioso, político e legal. O Federalismo Pleno depende tão somente de uma substituição constitucional, sob referendo de todo o povo, dentro de um ambiente de conhecimento das propostas já conhecido por todos. Resta-nos alcançar este momento. A proposta não fere nenhum dos itens proibitivos, embora não convirja no interesse dos oligarcas e usurpadores da felicidade do Brasileiro.
    Seria interessante, e os federalistas reiteram o convite, que os membros do separatismo – que já prestou um grande serviço à causa das reformas federativas nos anos 90, levantando os problemas pelos quais se chegou a tal ponto – se juntassem ao Movimento Federalista, especialmente no Partido que ainda está por ser registrado, para se chegar ao poder e conseguirmos, todos juntos, as mudanças que nos livrarão das garras deste modelo centralizador e extorquidor das riquezas produzidas por um povo pacífico, criativo e trabalhador.
    Contatos podem ser feitos pelo e-mail [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *